Simples Assim


Madeleines – Blogagem Coletiva – Sabor de Infância

( foto da internet)
Conhecia a Fabíola no Encontro Gourmet, São Paulo. Foi “amizade” à primeira vista. Logo iniciamos uma animada conversa e descobrimos muito afinidades. Quando vi sua proposta de uma blogagem coletiva sobre uma lembrança das refeições em família ou sobre a recordação de algum alimento em especial quando era criança, fiquei animada a participar, mas como sempre ando cheia de coisas para fazer, fiquei em dúvida se conseguiria ou não. Mas, hoje, lendo as narrativas das minhas colegas me lembrei da minha mãe, de como ela gostava de cozinhar, de preparar coisas gostosas e animar nossa vida com quitutes diversos.
Como não participar? Seria até uma forma de demonstrar meu agradecimento a quem me iniciou no mundo da culinária desde criancinha. Então, com esse estímulo resolvi então participar da iniciativa da Fabíola.
Comidas da infância? São várias, principalmente quando se tem uma mãe que cozinha muito bem. A mamãe tinha prazer em ir para a cozinha e colocar algo gostoso na mesa. Gostava de experimentar uma nova receita. Almoço de domingo era ocasião para provar um novo prato, e sempre tinha uma sobremesa especial.
Quando morávamos em Recife, ela fazia cursos de culinária com dona Neuza Nunes de Barros, que tinha uma escola de culinária. Eu adorava acompanhá-la e era a mascote do grupo. Pequeninha, cinco anos, já gostava de cozinhar… Era difícil não ser gordinha com tantas coisas gostosas, principalmente por também gostar de cozinhar. Sempre ficava do lado dela, tentando ajudar para ir aprendendo. Ficava encantada com a magia das misturas, dos sabores, dos aromas. Quem não gostava muito era ela, pois dizia que eu sujava muito, o que era verdade.
Biscoitinhos de batata doce, bolos, pavês, baba de moça, bavaroise, mousses salgadas, coquetel de camarão… Cresci comendo e fazendo essas delícias com minha mãe. Mas algo que hoje me veio à memória foram as Madalenas que ela fazia. Perfeitas. Naquele tempo – anos 60 – ela já tinha aquelas forminhas em forma de concha que davam o molde característico do delicioso bolinho com aroma de laranja. Muito depois é que vim descobrir que as “madalenas” que minha mãe fazia não eram outras que não as famosas “Madeleines” francesas. Apesar de gostar muito desse bolinho não tenho muita paciência para faze-lo , pois requer muito tempo para pincelar as forminhas e ter muito cuidado no forno para que não passem do ponto.
Hoje percebo o quanto ela era “avant garde” na cozinha, o quanto procurava inovar nessa arte. A ela devo esse meu amor pelo mundo da culinária, essa intimidade com as panelas e por ter lembranças tão gostosas dos sabores da minha infância.
Obrigada, mamãe!
Obrigada, Fabíola, pela oportunidade de dizer para a minha mãe o quanto ela me transmitiu nesse maravilhoso mundo da arte culinária que tanto me fascina e me encanta.

  1. Nossa, lendo seu texto me veio na memória várias coisinhas que minha vó fazia quando eu era pequena tbm! Coisas simples… pipoca com melado, bolo de cenoura com muitaaa cobertura de chocolate, pudim de leite que eu amavaaa… era tudo de bom! Como é bom relembrar esse tempo! O dia que eu tiver meus filhos quero deixar essas lindas memórias para eles tbm! 😉 Super beijo!

  2. Lylia, agora está tudo explicado…você anda na cozinha desde pequenininha e ainda teve uma mentora entendida no assunto 🙂 As memórias de infância ligadas à comida são muito fortes, olha que eu era bem chatinha para comer, rs. Também não tenho paciência para madeleines, mas que são um charme, ah isso são! Beijos!

  3. Que lindo texto Lylia, nossas mães nos deixaram grandes lições, tão talentosas que eram na cozinha, que só podíamos nos apaixonar como somos hoje apaixonadas pela culinária. Amei seu texto, emocionante e repleto de lindas recordações amiga. Lindas suas madeleines. Bjocas uma linda semana

  4. Oi amiga, adorei o tema dessa BC.

    Como as lembranças da infância são importantes em nossas vidas né?
    Me lembrou muito o poema " MEUS OITO ANOS " de Casimiro de Abreu:

    Oh! que saudades que eu tenho
    Da aurora da minha vida
    Da minha infância querida
    Que os anos não trazem mais!

    Parabéns amiga pela tua infância que deve ter sido bem maravilhosa.

    Bjssssssss e que qa tua semana seja muito abençoada.

    Ah! Estou de volta, depois de um período de muita irritação kkkkk

  5. Oi Lylia, me desculpe a demora pela visita querida.Estou colocando as visitas em dia aos poucos.Cada dia visito uma amiga e vejo todas as postagens que perdi.Gostar de cozinhar nasce desde pequena, mas não é isso que nos faz gordinhas, gostar de comer o que se faz é que nos deixa mais cheinhas, rsrs.
    Eu era bem magra, pois gostava de cozinhar e ver os outros comerem, hoje em dia adquiri o prazer de comer o que faço, imagina só, não sou mais a mesma,
    kkk.Adorei seus presentinhos de natal ficaram lindos.O bolo de cerveja me surpreendeu, ficou fantastico.Parabéns querida.Beijos e uma linda semana.

  6. Queridas Vânia, Fabíola, Luci, ROsinha, TIna, Carol, Lurdes, ISa, Adri, Selene, Josy, Marisa, DInha, Léia, Adriana, Irene, GIna, Fabiana, São, Léia, Marli e Tânia

    Obrigada pela presença amiga e pelos comentários carinhosos.
    Bj,
    Lylia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lylia Diogenes

Jornalista, blogueira, mãe, esposa, filha, sogra, amiga, irmã. Leitora voraz, curiosa, destemida, alegre, sensível, apaixonada pela vida, por animais, por viagens, por comidas gostosas, por boas bebidas, frio, silêncio, natureza, paz. Assim sou eu, do jeitinho que me vejo. Múltipla na unidade e acreditando, sempre, que o melhor está por vir.

Queremos ouvir você!

Novidades!

Facebook

Publicidade

Instagram

Google Plus

Adicione esse tempero

“Cozinhar com sabor são delícias compartilhadas com amor !”

Aimara Shindler

Categorias