Simples Assim


O nome é estranho, mas o sabor…Não sei por que deram esse nome para uma massa tão gostosa: podre. Por quê? Sempre me intriguei com isso e, apesar de já ter feito várias massas “podres” nunca me dei ao trabalho de saber a origem.
Até que hoje não me contive e fui pesquisar. E,e não é que tem mesmo um sentido ? Veja só:
Quando não existiam geladeiras, o alimento era conservado in natura, em sal. Caso contrário, se estragava. Conta a lenda que um dia, em um povoado francês, o cozinheiro de um castelo preparou uma receita com essa massa em quantidade grande, usou um pouco e deixou o resto, sabendo que ia estragar – mas não estragou.
No dia seguinte, usou mais dela, que já devia estar podre mas ainda estava boa, e lhe perguntaram:
Que massa você usou para preparar essa comida?
A massa que devia estar podre, mas não estava.”
O nome pegou e hoje a massa podre é essa delícia que usamos para preparar empada, quiches e tortas.
Na culinária francesa, chama-se pâté brisée , quando ela é salgada e pâté sucrée , quando doce.
Desvendado o “mistério” vamos a uma receita super gostosa com ela. O recheio de hoje é com berinjela. Por sinal, é a segunda com esse recheio que coloco aqui. A primeira , também muito boa, foi inspirada em uma da Vovó Palmirinha. A de hoje é um pouco diferente, mas tão saborosa quanto. Como eu sou fã de berinjela sempre estou experimentando novidades com ela.
Confiram a receita de hoje e depois me contem se não tenho razão quando digo que ela é deliciosa.

Torta de Berinjela assada – a receita e do Monta e Encanta onde está bem mais explicadinha

Ingredientes para o recheio:
  • 2 berinjelas grandes ou 3 pequenas pequenas
  • 1 cebola grande ou 2 pequenas
  • 3 dentes de alho
  • 3 ramos pequenos de alecrim fresco
  • pimenta do reino e sal a gosto
  • azeite a gosto
Preparo do Recheio:
  • Pré aqueça o forno a 220 graus. Temperatura alta. Lave e seque as berinjelas.
  • Corte-as no sentido  horizontal em 3 ou 4 fatias, depois no sentido vertical, formando cubos grandes de 3 x 3 cm
  • Forre uma assadeira grande (usei 45x30cm) , a maior que você tiver em casa,  com  azeite e distribua as berinjelas em cubos.Procure deixar  um pouco de espaço entre elas, se ficarem muito juntinhas, uma sobre as outras,  o ar não circula entre os pedaços e elas cozinham ao invés de assar e queremos assada, pois  esse sabor  fará toda a diferença.
  • Com ajuda da faca, esmague os 3 dentes de alho, no intuito de romper a casca  e com casca e tudo leve-os a assadeira
  • Junte os 3 raminhos de alecrim.   Não solte as folhas do alecrim do ramo, deixo-os inteiros.
  • O alecrim e o alho,   dão  um toque de sabor e um perfume na casa, para lá de  maravilhoso.
  • Tempere com sal agosto, pimenta do reino a gosto e azeite a gosto
  • Leve ao forno, preaquecido para assar por 20 minutos, no chão do forno,  não sobre as grelhas, na base preta, mais próximo ao fogo possível.
  • Na metade do tempo, nos primeiros 10 minutos, retire a assadeira, feche a porta do forno, para não esfriar! e vire as berinjelas com a ajuda de uma espátula, soltando do fundo com cuidado.  Volte ao forno, por mais 10min  para terminar de assar. 20 minutos costuma ser suficiente, lembre-se de que elas ainda voltam para assar na quiche
  • Enquanto isso … prepare a massa podre
Ingredientes para a massa:
  • 225 gramas de farinha de trigo ou 1 xícara e 1/2
  • 120gramas de manteiga  sem sal e bem gelada e em cubinhos ( deixe no freezer gelando, antes do preparo  das berinjelas)
  • 40ml de água gelada
  • 1 colher de sopa de vinagre
  • sal a gosto, usei 1/2 colher de chá de sal.
  • Peneire 1 xícara e 1/2 de farinha de trigo
  • Junte 120g de  manteiga cortada em cubos e bem gelada
  • Com os dedos, misture grosseiramente,  formando uma farofa, procure não manusear muito a massa, para não aquece-la e não deixar a manteiga  dissolver completamente. Dessa forma, a massa ficará crocante.
  • Acrescente 1 colher de vinagre e 40ml de água gelada e misture.
  • A manteiga e a água devem estar bem geladas para  retardar o desenvolvimento de glúten na farinha e resultar em uma massa que esfarela
  • Misture delicadamente. Dá para ver os pedacinhos de manteiga?  eles serão os responsáveis  por deixar a massa crocante e no ponto de esfarelar.
  • Trabalhe rápido,  quanto menos você manuseia-la mais esfarelada ela ficará.
  • O vinagre entra como o ácido, para ajudar a retardar do desenvolvimento do glúten.
  • Forme uma bola, envolva em filme plástico e deixe no freezer por 10 minutos ou  até as berinjelas estarem assadas.
  • Então retire, use o calor das mãos para aquecer e amolecer um pouco  a manteiga novamente, afim de facilitar o trabalho  e abra com rolo espessura de 3cm.
  •  A esta altura as berinjelas já estão assadas, retire-as do forno, separe  os ramos de alecrim e despreze-os.
  • Deixe esfriar um pouco, sobre uma bancada, enquanto preparamos o creme
Ingredientes do creme:
  • 3 ovos inteiros
  • 200ml de creme de leite, usei fresco, mas já usei o de caixinha também
  • noz-moscada a gosto, ralada na hora. Usei 1/3 da noz
  • pimenta do reino ralada na hora e a gosto
  • 130 gramas de queijo parmesão, ou  80g de gorgonzola ralado.
Como fazer:
  • Bata os 3 ovos inteiros
  • tempere com pimenta do reino e a noz-moscada
  • rale 130 gramas de queijo e reserve  30 gramas para polvilhar na finalização do prato.  Misture
  • Já fiz com gorgonzola e é uma delícia também. Como é um queijo mais forte, melhor diminuir a quantidade,  cerca de 70-80 gramas é mais do que suficiente.
  • Distribua  as berinjelas assadas, sobre a massa. O alho você pode dispensa-lo junto com o alecrim, ou não! Se você gosta, como eu, pode deixá-lo.
  • Cubra com o creme, polvilhe as 30g de parmesão sobre
  • Leve ao forno e asse por 40 minutos, até que a massa fique dourada e o recheio esteja firme.
  • Sirva morna ou a temperatura ambiente

  1. Que giro Lylia, também não conhecia o porquê desse nome e nem a história da massa podre, mas por isso é que a blogosfera (mundo de partilha), é tão interessante, pois estamos sempre a aprender mais um bocadinho.
    Delícia esta tarte!
    Um beijinho,
    Lia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lylia Diogenes

Jornalista, blogueira, mãe, esposa, filha, sogra, amiga, irmã. Leitora voraz, curiosa, destemida, alegre, sensível, apaixonada pela vida, por animais, por viagens, por comidas gostosas, por boas bebidas, frio, silêncio, natureza, paz. Assim sou eu, do jeitinho que me vejo. Múltipla na unidade e acreditando, sempre, que o melhor está por vir.

Novidades!

Adicione esse tempero

” Cozinhar é o tipo de coisa que exige um pouco de paixão e ilusão.”

Nina Horta

Facebook

Publicidade

Pinterest

Google Plus

Categorias